• ethereumEthereum (ETH) $ 3,249.30 2.63%
  • bnbBNB (BNB) $ 611.60 1.07%
  • solanaSolana (SOL) $ 157.01 2.13%
  • usd-coinUSDC (USDC) $ 0.999827 0%
  • staked-etherLido Staked Ether (STETH) $ 3,249.76 2.76%
  • xrpXRP (XRP) $ 0.544385 0.02%
  • the-open-networkToncoin (TON) $ 5.78 2.42%
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.495802 3.92%
  • avalanche-2Avalanche (AVAX) $ 38.99 1.92%

A B3 tem o objetivo de se tornar a principal entidade de custódia de Bitcoin e outras criptomoedas para bancos e corretoras

Foto do autor

Felipe Nascimento

Publicado em

A B3, bolsa de valores brasileira, revelou sua aspiração de se destacar no segmento das criptomoedas, almejando ser a maior custodiante de Bitcoin e outros ativos digitais para instituições como corretoras e bancos.

De acordo com o relatório anual divulgado na última sexta-feira (22/3), a B3 tem planos de desenvolver uma infraestrutura completa para o setor de ativos digitais, incluindo a tokenização com criação de smart contracts, serviços de custódia, uma plataforma de negociação, além de auxílio na liquidação e na administração de riscos.

“A nossa vivência diária nos mostra a demanda dessas empresas por soluções tecnológicas que conseguimos prover de maneira rápida, eficiente e sob medida, graças ao nosso know-how do negócio principal.” afirma a B3.

B3 quer custodiar Bitcoin de bancos e corretoras

B3

Por meio da B3 Digitas, uma extensão criada em 2022 junto à Inter Invest, a bolsa tem disponibilizado o serviço de transação de criptomoedas, abrangendo Bitcoin, Ethereum, Tether, Litecoin e Ripple, a princípio direcionado a um grupo selecionado de clientes.

Esta ação parece ser um passo de uma estratégia mais abrangente para consolidar a B3 como a custodiante primordial de Bitcoin e demais criptomoedas para grandes corporações, incluindo corretoras, bancos e operadoras de balcão OTC.

A iniciativa chega em um momento promissor, antecipando-se às prováveis novas normas de segregação patrimonial pelo Banco Central do Brasil, o que poderia motivar importantes entidades a optarem pela B3 para a custódia de seus ativos digitais.

A B3 também enalteceu sua metodologia “Cripto as a Service”, propondo uma solução infraestrutural completa para o mercado de ativos digitais, desde a tokenização e geração de smart contracts, até a custódia, comercialização, liquidação e gerenciamento de riscos desses ativos.

A B3 informa que oferecerá serviços como:

Cripto as a Service: Elaboração de serviços automatizados via API para instituições financeiras que comercializam criptoativos aos seus clientes e que enfrentam uma cadeia operacional intrincada, que inclui formar parcerias com corretoras e balcões de criptomoedas, transferir dólares internacionalmente com regularidade e gerenciar o risco associado.

Infraestrutura institucional para ativos digitais: Disponibilização de uma estrutura completa para o mercado de ativos digitais, englobando tokenização com smart contracts, custódia, plataforma de negociação, auxílio na liquidação e administração de riscos.

Digital Check – Proof of reserves: Ferramenta para assegurar a reserva das operações com ativos digitais feitas por mesas de negociação, fundos e corretoras.

“Fizemos também o anúncio de uma nova plataforma para a emissão, registro e negociação de ativos tokenizados. Esta iniciativa corresponde à crescente procura do mercado por uma participação segura em produtos digitais.”

Em conclusão, a B3 está se posicionando estrategicamente para ser uma líder no mercado emergente de criptoativos no Brasil, oferecendo um ecossistema completo de serviços que abrangem desde a tokenização até a custódia e negociação de ativos digitais. Com a criação da B3 Digitas e a implementação de serviços inovadores como “Cripto as a Service”, a bolsa busca atender à demanda institucional e se antecipar às mudanças regulatórias.

Leia Também: 

Acompanhe nossa página no youtube

Deixe um comentário