• ethereumEthereum (ETH) $ 3,251.34 2.59%
  • bnbBNB (BNB) $ 609.92 0.75%
  • solanaSolana (SOL) $ 157.31 2.05%
  • usd-coinUSDC (USDC) $ 0.999724 0.01%
  • staked-etherLido Staked Ether (STETH) $ 3,251.17 2.68%
  • xrpXRP (XRP) $ 0.545973 0.22%
  • the-open-networkToncoin (TON) $ 5.81 3.67%
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.498539 3.77%
  • avalanche-2Avalanche (AVAX) $ 39.03 1.79%

Brasil testemunha ascensão surpreendente do USDT sobre outros ativos digitais

Foto do autor

Geraldo Manuel

Publicado em

O mundo das criptomoedas tem assistido a um fenômeno emergente, com o USDT, também conhecido como Tether, dominando o mercado brasileiro de ativos digitais. A Receita Federal do Brasil, através de seu Departamento Especial, documentou recentemente esta notável mudança de tendência no panorama das criptomoedas no país.

USDT: O Gigante Entre as Stablecoins

Para quem é novo no domínio da criptografia, o USDT é uma stablecoin, um tipo de criptomoeda cujo valor é ancorado a um ativo estável. Neste caso, o USDT está ligado ao dólar americano. O apelo das stablecoins, como o USDT, reside na sua capacidade de oferecer o melhor dos dois mundos: a flexibilidade das criptomoedas e a estabilidade das moedas fiduciárias tradicionais.

USDT: O Gigante Entre as Stablecoins

Dominância do USDT no Mercado Brasileiro

Segundo relatórios da Receita Federal:

  • Em 2022, o volume de negociação do USDT superou o de todas as outras criptomoedas combinadas.
  • Stablecoins como o USDT e o USDC (atreladas ao dólar americano) e o BRZ (atrelado ao real brasileiro) estão no topo da lista das mais negociadas.
  • Desde 2019, a Receita Federal tem feito avaliações mensais, e os resultados mostram uma ascensão constante das stablecoins, com o USDT liderando a carga.

Mais impressionante ainda é que, até 2023, 80% das transações de criptomoedas informadas estão relacionadas ao USDT, destacando-o como o ativo digital dominante no país.

A Surpresa: USDT Supera o Bitcoin

Em 2022, um evento significativo marcou a indústria de criptomoedas: o colapso de Terra LUNA. Esta instabilidade levou os investidores a procurar refúgios mais estáveis, elevando as stablecoins, em particular o USDT, ao topo. Em comparação direta, o volume de negociação da Tether ultrapassou impressionantes 271 bilhões de reais, enquanto o Bitcoin viu cerca de 151 bilhões.

Visão Regulatória e Implicações Futuras

Com tal crescimento vem o escrutínio. A Receita Federal tem acompanhado de perto este desenvolvimento, percebendo que esta mudança pode trazer implicações consideráveis para o ambiente tributário e regulatório do Brasil.

Os dados mostram uma mudança notável do domínio anterior do Bitcoin para a crescente preferência por stablecoins, especialmente o Tether. A Receita Federal sugere que esta tendência pode resultar em novas regulamentações para a indústria de ativos digitais no país.

Conclusão

A revolução das stablecoins no Brasil, liderada pela Tether, reflete as demandas emergentes de um mercado em busca de estabilidade em um ambiente criptográfico volátil. Este desenvolvimento, enquanto traz benefícios, também coloca novos desafios regulatórios que o país terá de enfrentar nos próximos anos. A interseção entre moedas digitais e políticas governamentais será um espaço a observar de perto.

Deixe um comentário