• ethereumEthereum (ETH) $ 3,834.39 0.03%
  • bnbBNB (BNB) $ 601.12 0.27%
  • solanaSolana (SOL) $ 167.81 0.39%
  • staked-etherLido Staked Ether (STETH) $ 3,832.11 0.15%
  • usd-coinUSDC (USDC) $ 0.999708 0.03%
  • xrpXRP (XRP) $ 0.524669 0.43%
  • the-open-networkToncoin (TON) $ 6.46 2.41%
  • cardanoCardano (ADA) $ 0.457445 0.7%
  • avalanche-2Avalanche (AVAX) $ 36.74 1.75%

Criptomoedas: Surgimento e Impacto no Mundo Financeiro

Foto do autor

Geraldo Manuel

Publicado em

Os ativos digitais descentralizadas, conhecidas como criptomoedas ou cibermoedas, representam uma inovação no campo financeiro, utilizando a criptografia e a tecnologia blockchain para garantir transações seguras e a emissão de novos ativos digitais. O marco inicial deste universo foi o lançamento do Bitcoin em 2009, criado por alguém sob o pseudônimo de Satoshi Nakamoto. A partir dessa inovação, surgiu uma diversidade de outras moedas digitais.

Recentemente, observou-se uma proliferação notável de tokens, especialmente com a utilização do protocolo Ethereum, impulsionada em grande parte pela tendência das Ofertas Iniciais de Moedas (ICO) em 2017, um método de captação de recursos para novos projetos.

Em contraponto aos modelos financeiros centralizados tradicionais, as criptos funcionam de maneira descentralizada. Isso significa que elas operam sobre a estrutura de um livro-razão distribuído, conhecido como blockchain, mantido por uma vasta rede de computadores. Neste sistema, cada participante tem acesso a uma cópia completa do histórico de transações, o que confere robustez e transparência, impedindo alterações indevidas nos dados por qualquer entidade central.

Geração e Segurança das Criptomoedas

Um processo coletivo dentro de um protocolo estabelecido no início de sua criação gera as criptomoedas, tornando-as imunes à influência de organizações governamentais ou corporativas.Isso se difere significativamente dos sistemas monetários convencionais, onde instituições como o Federal Reserve nos EUA podem influenciar a oferta monetária.

Existem centenas de criptomoedas, muitas das quais são variações do Bitcoin. A manutenção da integridade e segurança destas moedas é realizada por uma comunidade global de mineradores. Estes indivíduos contribuem com seu poder computacional para processar e verificar transações, integrando-as à blockchain conforme critérios pré-determinados.

A segurança das criptomoedas pressupõe que a maioria dos participantes da rede atua de maneira honesta, motivados por incentivos financeiros. Além disso, a maioria das criptomoedas tem como objetivo limitar a emissão de novos ativos, estabelecendo um teto máximo para sua quantidade em circulação, o que ajuda a prevenir a depreciação do valor da moeda.

Comparativamente, as criptomoedas oferecem um grau maior de anonimato em relação às moedas tradicionais e são mais resistentes a intervenções legais. Embora primariamente pseudo-anônimas, foram propostas melhorias para aumentar a privacidade dos usuários, como o Zerocoin, que possibilitaria um anonimato ainda mais acentuado.

Essa nova era de ativos digitais segue desafiando as estruturas financeiras estabelecidas, oferecendo novas possibilidades para o futuro do dinheiro e da economia global.

geração e segurança das criptomoedas

Surgimento das primeiras criptomoedas

Em 1998, a proposta de “Dinheiro B” por Wei Dai inaugurou a ideia de um sistema de pagamentos eletrônicos e anônimos. Logo após, Nick Szabo introduziu o conceito de “Bit gold“, marcando os primeiros passos em direção à criptomoeda, com uma estrutura que exigia dos participantes a realização de uma prova de trabalho, onde os resultados eram registrados e verificados criptograficamente.

O marco da criação da primeira criptomoeda totalmente descentralizada veio em 2009, pela mão de uma figura enigmática conhecida como Satoshi Nakamoto, que lançou o Bitcoin. Este utilizou a SHA-256, uma função de hash criptográfico, como seu mecanismo de prova de trabalho. Em abril de 2011, surgiu o Namecoin, buscando estabelecer um DNS descentralizado e, por consequência, dificultar a censura online. Já em outubro de 2011, o Litecoin emergiu, destacando-se como a primeira criptomoeda a adotar scrypt na sua função de hash, em vez de SHA-256. O Peercoin, por sua vez, inovou ao combinar prova de trabalho com prova de participação, representando uma nova abordagem na mineração e segurança de criptomoedas.

Expansão das Criptos

Apesar do surgimento de várias outras criptomoedas, muitas não conseguiram se destacar devido à falta de inovações técnicas significativas. Em março de 2014, Portugal entrou na história das criptomoedas com o lançamento do CryptoEscudo. No mesmo ano, o governo do Reino Unido começou um estudo para avaliar o impacto das criptos na economia e considerar a necessidade de uma possível regulamentação.

A segunda geração de criptomoedas, que inclui Monero, Ethereum e Nxt, começou a emergir em 2014, introduzindo funcionalidades inovadoras como endereços ocultos e contratos inteligentes, ampliando as possibilidades de uso das criptomoedas além das transações financeiras simples.

Em 2014, também foi lançada a criptomoeda RaiBlocks, conhecida por suas transações rápidas e eficiência energética, contrastando com o Bitcoin pela ausência de taxas de transação. Em 2018, essa moeda passou a ser conhecida como Nano, reforçando seu compromisso com a eficiência e a escalabilidade no universo das criptomoedas.

surgimento das primeiras criptomoedas

Desafios e Inovações no Universo das Criptomoedas

Autoridades monetárias têm expressado preocupações sobre como a popularização do Bitcoin e outras criptomoedas representa um desafio para a capacidade dos bancos centrais de regular o custo do crédito na economia. Existe também um temor de que a crescente aceitação dessas moedas digitais possa enfraquecer a confiança do público nas moedas tradicionais emitidas pelo governo.

Em uma iniciativa pioneira nos Estados Unidos, Jordan Kelley, fundador da Robocoin, inaugurou o primeiro terminal de autoatendimento para bitcoins em 20 de fevereiro de 2014, localizado em Austin, Texas. Este terminal diferenciado não apenas permite transações com bitcoins, mas também inclui dispositivos de leitura para verificar a identidade dos usuários por meio de documentos oficiais, como carteiras de habilitação e passaportes.

A Fundação Dogecoin, entidade filantrópica associada ao Dogecoin e co-fundada por Jackson Palmer, um dos criadores da moeda, contribuiu com mais de 30 mil dólares em Dogecoin para financiar a participação da equipe jamaicana de bobsled nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014, em Sóchi, Rússia. A comunidade do Dogecoin também se mobiliza para apoiar causas sociais, como a doação de cães-guia para crianças com deficiência.

Entre os dias 16 e 19 de maio de 2018, o Bitcoin Gold, um derivado do Bitcoin, foi vítima de um ataque de 51%, uma vulnerabilidade crítica do sistema blockchain. Neste tipo de ataque, o agressor consegue controlar a maioria do poder computacional da rede, possibilitando a manipulação de transações e, potencialmente, a apropriação indevida de até 18 milhões de dólares.

O temido “ataque de 51%” evidencia um ponto fraco no design da blockchain, que ocorre quando uma pessoa ou grupo domina mais da metade da capacidade de processamento da rede. Para mitigar esse risco, é crucial que a rede possua um amplo e diversificado grupo de mineradores operando de maneira independente.

Fundamentos da Tecnologia Blockchain

Tecnologia Blockchain

O Cerne da Criptomoeda: Blockchain

No coração de cada criptomoeda jaz a blockchain, uma inovadora lista de registros, conhecidos como blocos, que são interligados através de criptografia. Cada bloco carrega consigo um código hash que o liga ao bloco anterior, além de uma marca temporal e os dados das transações realizadas. A estrutura da blockchain foi concebida para ser altamente resistente à alteração dos dados, funcionando como um diário público imutável que registra transações de forma eficaz, verificável e permanente. Operando sob um modelo de gestão descentralizada, a blockchain é sustentada por uma rede peer-to-peer que adere a protocolos específicos para a validação de novos blocos. Esta tecnologia não somente garante a integridade dos registros sem necessitar de uma autoridade central, mas também soluciona o problema do gasto duplo sem a intervenção de terceiros.

Segurança e Consenso na Blockchain

A segurança intrínseca dos blockchains deriva de sua arquitetura distribuída, tornando-os sistemas altamente tolerantes a falhas e ataques. O consenso descentralizado, essencial para a operação da rede, é alcançado sem a necessidade de uma entidade central, oferecendo uma solução robusta para a validação de transações e a prevenção de fraudes.

A Dinâmica do Tempo de Bloqueio

O intervalo para a criação de um novo bloco, conhecido como tempo de bloqueio, varia significativamente entre as diferentes blockchains, podendo ser de apenas alguns segundos. Este tempo é crucial pois marca o momento em que as transações são confirmadas e, por consequência, quando ocorrem efetivamente, influenciando diretamente a velocidade das operações na rede.

Mecanismos de Consenso

Prova de Trabalho: O Início de Tudo

A prova de trabalho é um mecanismo que exige dos participantes um esforço computacional para validar transações e criar novos blocos. Este método, que foi pioneiro no campo das criptomoedas, utiliza algoritmos como SHA-256 e scrypt, este último predominando atualmente no cenário cripto.

Além da Prova de Trabalho: Prova de Participação e Sistemas Híbridos

Alternativas ao modelo de prova de trabalho incluem a prova de participação e esquemas combinados, onde os usuários demonstram sua participação na rede através da posse de uma quantidade específica de moeda. Estes modelos buscam uma maior eficiência energética e uma distribuição mais equitativa da capacidade de decisão na rede.

Mineração: O Coração da Cripto-Validação

Na mineração, os participantes competem para validar transações e, por sua vez, são recompensados com novas unidades da criptomoeda. Com o aumento da competição e a complexidade das tarefas, surgiram máquinas especializadas que intensificaram a corrida por uma mineração mais eficiente, embora com custos elevados em termos de equipamento e energia.

 mineração no contexto das criptomoedas

Carteiras Digitais: Guardiãs das Chaves Cripto

As carteiras de criptomoedas funcionam como um cofre digital para as chaves que permitem operar com as moedas no universo digital. Elas podem armazenar chaves públicas, que recebem criptomoedas, e privadas, que autorizam transações, sendo essenciais para a gestão e segurança dos ativos digitais.

Privacidade e Anonimato

Embora o Bitcoin ofereça um pseudônimo em vez de anonimato completo, desenvolvedores têm implementado esforços para aumentar a privacidade nas transações criptográficas. Eles aplicaram tecnologias como provas de conhecimento zero e assinaturas de anel em criptomoedas como Zcash e Monero, respectivamente, para melhorar o anonimato dos usuários.

Centralização versus Descentralização

A descentralização é um pilar fundamental das criptomoedas, contrastando com sistemas centralizados tradicionais. No entanto, a centralização pode surgir em contextos onde poucas entidades controlam grande parte da capacidade de processamento da rede, ou nas corretoras centralizadas, que dominam grande parte do volume de transações cripto, apresentando desafios e debates contínuos sobre a essência e o futuro da descentralização no universo das criptomoedas.

Regulamentação das Criptomoedas pelo Mundo

 Aceitação e restrição por diferentes nações.

Diversidade na Aceitação Legal

A aceitação e o reconhecimento legal das criptomoedas variam significativamente de uma nação para outra, encontrando-se em um estado de fluxo constante em várias regiões. Enquanto certos países, como a Alemanha, adotaram uma postura favorável permitindo oficialmente seu uso e comercialização, outros têm imposto restrições severas ou até mesmo proibido completamente seu manuseio, a exemplo da Arábia Saudita.

Perspectivas Globais Divergentes

As criptomoedas, incluindo o Bitcoin, enfrentam classificações variadas por diferentes autoridades governamentais, departamentos e judiciários ao redor do mundo. O Banco Popular da China, a autoridade monetária do país, implementou uma proibição ao tratamento de bitcoins por instituições financeiras em 2014, marcando um período de rápida expansão da criptomoeda no território chinês. Na Rússia, apesar da legalidade das criptomoedas, é proibido utilizar qualquer moeda que não o Rublo russo para a aquisição de bens e serviços.

O Caso de Portugal

Em Portugal, desde 2017, o Banco de Portugal assumiu a tarefa de supervisionar as entidades que lidam com criptomoedas ou ativos digitais. Este movimento culminou na concessão das primeiras licenças para operadores de criptomoedas no ano de 2021, demonstrando um esforço para integrar essas novas tecnologias no sistema financeiro tradicional, garantindo ao mesmo tempo a segurança e a conformidade regulatória.

Líderes de Mercado em Criptomoedas

Em 2022, as criptomoedas que se destacaram no topo da lista por seu valor de mercado incluíram uma variedade de ativos digitais, cada um com características e propósitos distintos. Essas moedas digitais não só demonstraram uma forte adoção e interesse por parte dos investidores, mas também consolidaram suas posições como líderes no espaço das criptomoedas.

As Principais Moedas Digitais por Valor de Mercado em 2022

  1. Bitcoin (BTC): A pioneira e mais valiosa criptomoeda, conhecida por sua segurança e papel como “ouro digital”.
  2. Ethereum (ETH): Plataforma líder para contratos inteligentes e aplicações descentralizadas (dApps).
  3. Tether (USDT): Uma stablecoin atrelada ao dólar americano, oferecendo estabilidade no mercado volátil de criptomoedas.
  4. USD Coin (USDC): Outra importante stablecoin, garantindo transações seguras e transparentes.
  5. BNB: Token nativo da Binance, a maior exchange de criptomoedas por volume de negociação.
  6. Binance USD (BUSD): Stablecoin emitida pela Binance, assegurada pelo dólar americano.
  7. XRP: Focada em pagamentos internacionais rápidos e eficientes.
  8. Cardano (ADA): Conhecida por sua abordagem científica e foco em sustentabilidade.
  9. Solana (SOL): Destaca-se por sua alta velocidade de transação e eficiência energética.
  10. Dogecoin (DOGE): Inicialmente criada como uma brincadeira, ganhou popularidade e suporte comunitário.
  11. Polkadot (DOT): Visa facilitar a interoperabilidade entre blockchains.
  12. Polygon (MATIC): Plataforma de escalabilidade para construção de redes blockchain conectadas.
  13. Dai: Uma stablecoin descentralizada cujo valor é atrelado ao dólar americano.
  14. Shiba Inu (SHIB): Outra criptomoeda que começou como uma brincadeira, atraindo uma grande comunidade.
  15. TRON (TRX): Focada em compartilhamento de conteúdo digital e entretenimento.
  16. Avalanche (AVAX): Plataforma de contratos inteligentes visando alta velocidade de transações.
  17. Wrapped Bitcoin (WBTC): Representação do Bitcoin na rede Ethereum, permitindo sua utilização em dApps Ethereum.
  18. UNUS SED LEO (LEO): Token utilitário usado na plataforma de troca Bitfinex.
  19. Ethereum Classic (ETC): Resultado de uma divisão na rede Ethereum, mantendo a versão original da blockchain.
  20. Cosmos (ATOM): Projetada para facilitar a comunicação entre blockchains independentes.

Essas criptomoedas não apenas lideraram em termos de valor de mercado, mas também desempenharam papéis cruciais na expansão do ecossistema de blockchain. Pois, cada uma contribui com soluções únicas para o setor financeiro descentralizado.

Características Fundamentais das Criptomoedas

A Natureza Descentralizada das Criptomoedas

Jan Lansky explica que uma criptomoeda cumpre seis critérios essenciais que delineiam sua estrutura e funcionamento:

  1. Autonomia de Autoridade Central: O sistema opera independentemente de uma autoridade centralizada, adotando um consenso distribuído para manter seu estado.
  2. Registro de Unidades e Propriedade: Há uma manutenção contínua de um registro detalhado das unidades de criptomoeda existentes e de quem as possui.
  3. Criação de Novas Unidades: O sistema estabelece regras claras para a formação de novas unidades de criptomoeda. Logo, isso inclui as condições para sua geração e a atribuição de propriedade.
  4. Comprovação de Propriedade: A propriedade das unidades é comprovável unicamente por meio de técnicas de criptografia.
  5. Execução de Transações: Permite a realização de transações que modificam a propriedade das unidades, exigindo a comprovação da posse atual por parte do emissor.
  6. Resolução de Conflitos em Transações: Em caso de instruções conflitantes para a mesma unidade, o sistema garante a execução de apenas uma delas.

Diversificação no Universo Cripto: Altcoins

Explorando as Alternativas ao Bitcoin: Altcoins

O termo “altcoin” abrange uma variedade de definições que apontam para um conceito comum: moedas digitais que servem como alternativas ao Bitcoin. Alguns jornais, descrevem os altcoins como “moedas digitais alternativas”. Outros, identificam altcoins como versões modificadas ou alternativas ao Bitcoin, expandindo o espectro de possibilidades dentro do espaço das criptomoedas.

A Diferença Entre Criptomoedas e Tokens

Diferença entre criptomoedas e tokens

Tokens: Ativos Digitais na Blockchain Alheia

Diferenciando-se das criptomoedas que operam em sua própria rede blockchain, os tokens são ativos digitais que existem e funcionam dentro da blockchain de outra criptomoeda. Essa característica os torna únicos, pois, ao invés de possuir uma infraestrutura blockchain própria, eles utilizam o suporte de redes já estabelecidas para oferecer uma variedade de funcionalidades, desde a representação de ativos físicos até a facilitação de operações em plataformas de finanças descentralizadas (DeFi).

Mercado de criptomoedas no cenário atual

Atualmente, o cenário das criptomoedas está mais dinâmico e diversificado do que nunca, refletindo tanto o crescente interesse do público quanto a atenção regulatória global. Com a valorização significativa de moedas líderes como o Bitcoin e o Ethereum, juntamente com a popularização de tokens DeFi, NFTs e stablecoins, o mercado cripto tem atraído investidores de todos os tipos, desde indivíduos a grandes instituições. Contudo, esse crescimento vem acompanhado de volatilidade nos preços e de desafios regulatórios. Pois, os governos ao redor do mundo estão buscando maneiras de enquadrar a nova classe de ativos dentro de estruturas legais que protejam os investidores sem sufocar a inovação. Apesar dessas incertezas, o desenvolvimento tecnológico e a adoção de criptomoedas continuam avançando, prometendo remodelar não apenas o futuro das finanças, mas também de diversas outras indústrias através da tecnologia blockchain.

Conclusão: A Revolução Cripto e o Futuro Financeiro

As criptomoedas inauguraram uma revolução no setor financeiro, introduzindo descentralização, segurança e inovação desde o surgimento do Bitcoin em 2009. A base dessa transformação, a tecnologia blockchain, não apenas desafiou os sistemas financeiros tradicionais. Ela também abriu caminho para novos métodos de financiamento e soluções financeiras descentralizadas. Apesar dos desafios regulatórios e de segurança, o crescimento das criptomoedas e o desenvolvimento de novas tecnologias para aumentar a privacidade dos usuários mostram um movimento em direção a um sistema financeiro mais aberto e eficiente. À medida que a inovação tecnológica avança, as criptomoedas estão definindo o futuro de como lidamos com o valor. Dessa forma, promete uma evolução contínua e significativa no mundo financeiro.

Deixe um comentário